Quer ter tudo sobre o entretenimento televisivo em suas mãos? Esse blog é um dos melhores lugares

25 de mai de 2013

“Amor à Vida” começa com gosto de X-Tudo

    
É com alívio, depois da decepção causada por “Salve Jorge”, que o público está recebendo “Amor à Vida”. A novela de Walcyr Carrasco tem todos os elementos necessários, talvez até demais, para prender a atenção e divertir o espectador pelos próximos sete meses.
No primeiro texto que escreve para o horário das 21h, Carrasco apostou numa receita eclética, misturando variadas fórmulas e modelos já testados. Os primeiros cinco capítulos mostram o autor atirando em todas as direções, no esforço de agradar a gregos e troianos.
A trama principal, em torno de uma família da elite, descendente de imigrantes libaneses, proprietária de um hospital em São Paulo, tem a cara das novelas de Manoel Carlos. O patriarca, César Khoury (Antonio Fagundes), gosta mais da filha Paloma (Paolla Oliveira), enquanto sua mulher, Pilar (Susana Vieira, foto), tem uma queda maior pelo filho, Felix (Mateus Solano).
Diferentes conflitos já foram lançados ou insinuados. Há dúvidas sobre a maternidade da filha. O filho é gay, mas mantém uma vida de fachada, casado com uma estilista, Edith (Barbara Paz). Felix tem ciúmes de Paloma, que, ingênua, confia no irmão.
Há todo um núcleo, ainda apenas esboçado, dentro do hospital. Ali, em clima de “Grey’s Anatomy”, vão se desenrolar as mais variadas situações. Pelas chamadas, sabemos que Pilar suspeitará que César está tendo um caso com a secretária. Já Felix vai se encantar por um médico.
Outro núcleo clássico gira em torno da família de Ordália (Eliane Giardini) e Denizard (Fúlvio Stefanini). São trabalhadores, honestos, dão duro na vida e têm sotaque paulistano típico, “italianado”. O casal tem quatro filhos batalhadores, entre os quais Bruno (Malvino Salvador, foto), que vai se apaixonar por Paloma.
Como não poderia faltar, no ambiente dos que lutam pela vida, há os malandros. Em chave cômica, eles são representados na novela pela dupla formada por Márcia (Elizabeth Savalla) e Valdirene (Tatá Wernerck). A mãe é ex-chacrete e tenta ajudar a filhar a arrumar um marido rico.
No esforço de arrebatar o espectador, “Amor à Vida” apelou para o melodrama pesado em diversas situações. Num mesmo capítulo, Paloma deu à luz no chão do banheiro de um bar, teve o bebê roubado, foi internada no hospital e seu pai sofreu um enfarte. Para coroar, uma cena mostrou a filha carregando o soro enquanto caminhava pelo hospital, indo visitar o pai, deitado em outro quarto.
Pelos exageros e inverossimilhanças de muitas situações nestes primeiros dias, houve quem lembrasse até de Gloria Magadan (1920-2001), mas Carrasco deve ter bebido mesmo na fonte de Gloria Perez. Só voando muito para aceitar que, ao encontrar um bebê numa caçamba, num beco, no meio da noite, Bruno fosse socorrido por um táxi, por exemplo.
Mas, especialmente, “Amor à Vida” parece ter encontrado em “Avenida Brasil” a iluminação que precisava para capturar o espectador. Em primeiro lugar, graças a uma direção competente, atualizada, a novela tem ritmo intenso, cara de cinema e elenco aparentemente bem orientado.


       
Carrasco também está sendo comparado a João Emanuel Carneiro por desenhar um vilão forte, bem caricato, capaz de provocar empatia e divertir o público. Felix virou o xodó do Twitter em poucos capítulos, assim como Carminha, embora a caracterização do ator e o texto do autor estejam longe de apresentar um “gay enrustido”, como prometido, oferecendo um personagem com orientação sexual explícita.
        
O personagem foi responsável por um momento de ousadia na teledramaturgia brasileira. No quarto capítulo da novela, numa cena memorável, Felix reconheceu para Edith, sua mulher, que é gay, mas que precisa continuar vivendo uma situação mentirosa com ela.
Para compensar a ousadia, o autor tem brindado o público com estranhas mensagens religiosas e místicas, como em outras novelas suas. Logo na estreia, quando Bruno encontra o bebê no lixo, ele diz: “Deus me deu uma nova chance!”. Já no segundo capítulo, sem saber que é mãe de Paula, Paloma “sente” uma forte ligação com a menina.
Na quinta-feira, em dúvida se fugia com Ninho (Juliano Cazarré), o namorado irresponsável, ou se permanecia com a família, Paloma ouviu o conselho de uma beata na rua, que diz: “Você está triste, não? Pergunta pra Deus, abra seu coração. Deus nunca falha.” Paloma, então, evoca Deus e pede “inspiração”. Na sequência, ela procura Ninho para dizer que não vai fugir com ele.
“Amor à Vida” produziu a certeza, ao final da primeira semana, que estamos longe dos problemas vistos em “Salve Jorge”. Mas, entre ousadias e bizarrices, e muitas influências, a novela corre o risco de gerar  uma espécie de X-Tudo, um sanduíche com tantos ingredientes que mal se percebe o seu gosto.
CRÍTICA DE MAURICIO STYCER
ADAPTAÇÃO DE IMAGEM: MUNDO TV


Nenhum comentário:

Postar um comentário